Disfarçados

Disfarçados


alt


Seria ingénuo pensar que as pessoas se disfarçam somente no Carnaval e que as máscaras dos homens duram somente estes três dias antes da Quaresma.


Se observarmos sinceramente a nossa vida, encontramos, certamente, momentos de honradez, franqueza e clareza. Porém, ao mesmo tempo, todos sabemos que a nossa vida é, em grande parte, uma mentira.


De certo modo, pode-se dizer que mentimos a nós mesmos ao longo de toda a a nossa vida. Revestimo-nos de máscaras para fora e para dentro. E passamos a vida evitando, falsificando ou desfigurando os apelos da verdade.


Não se trata de pensar agora nas nossas mentiras, enganos e simulações de todos os dias, mas na grande mentira da nossa vida no seu conjunto. Na nossa capacidade de gritar a verdade em alta voz e exigir sempre dos outros grandes coisas, sem escutar jamais nós mesmos os apelos da nossa própria consciência.


Não é fácil sair da mentira quando passamos anos vivendo uma relação superficial connosco próprios. Não é fácil alguém libertar-se da própria covardia quando envolvemos com a vaidade e covardia toda a nossa vida com os seus projectos, ideais e relações.


Porém, o grande privilégio do homem é a insatisfação. No mais profundo do seu coração, algo resiste sempre e impede-o de descansar satisfeito na mentira.


Por isso, há momentos de graça tanto para o que crê como para aquele que se diz incrédulo. Momentos nos quais uma “luz interior” ilumina-nos com a clareza iniludível e revela-nos que na nossa vida falta: beleza, bondade, veracidade, autêntica amizade, verdadeiro amor.


Momentos de transparência que deixam tremendo o nosso coração e nos fazem irromper com palavras semelhantes às de Simão Pedro ao encontrar-se com Jesus: “Afasta-te de mim, Senhor, porque sou pecador!”.


É, então, que escutamos as palavras de Jesus: “Não temas!”. Não devemos temer que Deus descubra a verdade sobre a nossa vida, por mais feia e obscura que ela seja. Deus é maior do que a nossa consciência. Crer n’Ele é “aceitar sermos aceites apesar de sermos inaceitáveis” (J. P. Tillich).


Talvez, a nossa vida se joga nesses momentos privilegiados de luz e de verdade, quando somos capazes de vê-la sem máscaras nem disfarces. Se, então, tudo nos condena, escutemos o conselho de Santo Agostinho: “Se sentes vontade de escapar de Deus, não procures esconder-te d’Ele, esconde-te n’Ele”.

J. A. Pagola

Caminhos Carmelitas

  • Aprender com o sofrimento
    Há que aprender a viver com o sofrimento e a fazer dele uma força e uma forma de crescimento. Aprender a tirar proveito do sofrimento, por pior que seja, não vou fingir, não vou iludir, vou...
  • 12º Domingo do Tempo Comum – Ano B
    Em pleno mar da Galileia, os discípulos / apóstolos de Jesus lutam, aflitos, contra a tempestade que ameaça desfazer a pequena e frágil embarcação no meio do mar encapelado (Marcos 4,35-41). E em...
  • Perdoar (Per-doar)
    Per-doar é da minha parte e o outro pode não querer, mas é doar, apesar de tudo, uma nova oportunidade, um abrirmo-nos e oferecermo-nos para recomeçar uma relação. O perdão tem a ver com a relação,...
  • A oração sacerdotal de Jesus
    Como já várias vezes nos demos conta, uma das características mais evidentes da vida de Jesus é a oração. Esta, porém, torna-se ainda mais frequente e intensa nas horas da sua paixão e morte. Reza...
  • Santo António – 13 de Junho
    – Correi, portanto, famintos, avarentos e usurários, para quem o dinheiro vale mais do que Deus, e comprai o grão de trigo que a Virgem tirou hoje do armário do seu ventre. Deu à luz um Filho....
  • Solenidade do Sagrado Coração de Jesus
    Oração de consagração ao Sagrado Coração de Jesus Entrego-me e consagro-vos, Sagrado Coração de Jesus Cristo, a minha vida, as minhas acções, penas e sofrimentos, para não querer mais servir-me de...

Santos Carmelitas