“Um tesouro a descobrir”. A oração do rosário (terço)

“Um tesouro a descobrir”. A oração do rosário (terço)

 

alt

 

Não me move a intenção de fazer uma história do Rosário (ou do Terço) nem um tratado teológico e/ou pastoral acerca desta oração tão difundida e praticada na vida da Igreja. Pretendo apenas chamar a atenção para a sua importância e refletir um pouco sobre a sua estrutura e sentido, a fim de fazer dela uma oração mais autêntica e proveitosa para o Povo de Deus.


Se é verdade que foram muitos os Papas que deram uma particular atenção ao Rosário e à sua importância na vida da Igreja, em geral, e na vida dos cristãos, em particular, é em afirmações dos três últimos que me detenho para sublinhar a sua importância: “O Terço é a minha oração predileta. A todos, exorto, cordialmente, que o rezem” (João Paulo II); “É a mensagem que a Virgem deixou em suas diferentes aparições. Penso, em particular, nas de Fátima, ocorridas há 90 anos, aos três pastorinhos, Lúcia, Jacinta e Francisco, nas quais se apresentou como ‘a Virgem do Rosário’, recomendou com insistência a oração do Rosário todos os dias, para alcançar o fim da guerra” (Bento XVI); “O Terço é a oração que sempre acompanha a minha vida; é também a oração dos simples e dos santos… é a oração do meu coração” (Papa Francisco).


Segundo uma tradição muito antiga, o Rosário foi promovido e divulgado por S. Domingos de Gusmão, que nasceu em Caleruega, província de Burgos e diocese de Osma (Espanha), a 24 de Junho de 1170, e morreu em Bolonha (Itália), a 6 de Agosto de 1221. Consta que, para combater a heresia dos cátaros, caminhava pela Europa, rezando o Rosário. Na sequência do mestre, foram os dominicanos os seus grandes promotores, mas não únicos, ao longo da história.


A falta de formação e o analfabetismo do povo simples levou a que se propusesse o Rosário como oração daqueles que não tinham acesso à leitura e meditação dos Salmos. Apostando em fórmulas simples e no método da repetição, depressa se tornou o Breviário dos simples e humildes.


Chamou-se-lhe Rosário, considerando que cada Avé Maria é uma rosa que se entrega à Mãe de Jesus. O nome adequa-se claramente às suas 150 Avé Marias, correspondendo aos 150 Salmos da Bíblia. Como o próprio nome sugere, o Terço é a terça parte do Rosário. Ao acrescentar-lhe os mistérios luminosos, o Papa João Paulo II, fez deles a quarta parte do Rosário.


A oração do Pai-Nosso “torna a meditação do mistério, mesmo quando é feita a sós, uma experiência eclesial” (João Paulo II, O Rosário da Virgem Maria, nº 32) e as dez “Avé Marias”, recordando as palavras do Anjo Gabriel e de Isabel, são o elemento “mais encorpado do Rosário e também o que faz dele uma oração mariana por excelência” (João Paulo II, O Rosário da VirgemMaria, nº 33). O Glória ao Pai no fim de cada mistério faz com que o Rosário não seja uma oração apenas mariana, mas também trinitária (Por Maria à Trindade).


A cada grupo de dez Avé Marias chama-se-lhe “mistério”, porque no início se enuncia um dos acontecimentos mais marcantes da revelação de Deus aos homens em Jesus Cristo, a quem aparece associada Maria, sua Mãe. A meditação passa pelos mistérios da alegria, da dor, da glória e da luz. É esta enunciação que faz dele um caminho de contemplação e o “compêndio do evangelho”.


O Terço (50 Avé Marias), assim chamado por constituir uma terça parte do Rosário, é, entre todas, a oração não litúrgica que mais se difundiu entre os cristãos. Como afirma João Paulo II, “uma oração tão fácil e ao mesmo tempo tão rica merece verdadeiramente ser descoberta de novo pela comunidade cristã” (João Paulo II, O Rosário da Virgem Maria, nº 43).


Pela sua simplicidade e riqueza, não duvido que continuará a nortear a vida de piedade de uma boa parte dos cristãos deste III milénio.


Pe. João Alberto Sousa Correia

Caminhos Carmelitas

  • Quem são os que precisam de médico?
    Nunca senti tanto a minha miséria, nunca me vi tão miserável, mas esta miséria não me desanima, antes me estimula para aproximar-me mais d’Ele, e penso que é mesmo por causa da minha fraqueza que...
  • 25º Domingo do Tempo Comum – Ano B
    No Evangelho deste Domingo, Jesus anuncia pela segunda vez aos discípulos a sua paixão, morte e ressurreição (cf. Mc 9, 30-31). O evangelista Marcos põe em evidência o forte contraste entre a sua...
  • 15 esquemas de catequeses sobre a Missa
    Os 15 documentos contidos no site abaixo indicado têm como conteúdo central as Audiências Gerais das quartas-feiras do Papa Francisco, entre 8 de Novembro de 2017 e 4 de Abril de 2018, dedicadas à...
  • Santo Alberto de Jerusalém – 17 de Setembro
    Hino Deus nos chamou à santidade,/ A ser louvor da Sua glória, / Em Jesus, o Verbo Incarnado, / Que se inseriu na nossa história. Aspiramos seguir a Cristo, / Deixemos n’Ele o homem velho; / Que o...
  • Confissão, sacramento da alegria
    Qual é o centro: os pecados ou o Pai que perdoa todos os pecados? O Pai. Não vamos confessar-nos como pessoas castigadas que se devem humilhar, mas como filhos que correm para receber o abraço do...
  • Festa da exaltação da santa cruz
    «Nós – declara São Paulo – pregamos Cristo crucificado (…), poder e sabedoria de Deus». Entretanto o Apóstolo não esconde que a cruz, aos olhos da sabedoria humana, aparece diversa: é...

Santos Carmelitas