Seguidora fiel de Jesus

Seguidora fiel de Jesus

 

alt

 

Os evangelistas apresentam a Virgem com traços que podem reavivar a nossa devoção a Maria, a Mãe de Jesus. A sua visão ajuda-nos a amá-la, meditá-la, imitá-la, rezá-la e confiar nela com espírito novo e mais evangélico.


Maria é a grande crente. A primeira seguidora de Jesus. A mulher que sabe meditar no seu coração os actos e as palavras do seu Filho. A profetisa que canta a Deus, salvador dos pobres, anunciado por Ele. A mãe fiel que permanece junto ao seu Filho perseguido, condenado e executado na cruz. Testemunha de Cristo ressuscitado, que acolhe junto aos discípulos o Espírito que acompanhará sempre a Igreja de Jesus.


Lucas, por seu lado, convida-nos a fazer nosso o canto de Maria, para nos deixarmos guiar pelo seu espírito até Jesus, pois no Magnificat brilha em todo o seu esplendor a fé de Maria e a sua identificação maternal com o seu Filho Jesus.


Maria começa por proclamar a grandeza de Deus: «o meu espírito alegra-se em Deus, meu salvador, porque olhou a humilhação da sua escrava». Maria é feliz porque Deus pôs o seu olhar na sua pequenez. Assim é Deus com os simples. Maria canta-o com o mesmo gozo com que bendiz Jesus ao Pai, porque se oculta a «sábios e a entendidos» e se revela «aos simples». A fé de Maria no Deus dos pequenos faz-nos sintonizar com Jesus.


Maria proclama Deus «Poderoso» porque «a Sua misericórdia chega aos Seus fiéis de geração em geração».Deus coloca o Seu poder ao serviço da compaixão. A Sua misericórdia acompanha todas as gerações. O mesmo predica Jesus: Deus é misericordioso com todos. Por isso diz aos seus discípulos de todos os tempos: «sede misericordiosos como o Vosso Pai é misericordioso». Desde o seu coração de mãe, Maria capta como ninguém a ternura de Deus Pai e Mãe, e nos introduz no núcleo da mensagem de Jesus: Deus é amor compassivo.


Maria proclama também ao Deus dos pobres porque «derruba do trono os poderosos» e os deixa sem poder para continuar a oprimir; pelo contrário, «enaltece os humildes» para que recobrem a sua dignidade. Aos ricos reclama-lhes o roubado aos pobres e «despede-os vazios»; pelo contrário, aos famintos «enche-os de coisas boas» para que desfrutem de uma vida mais humana. O mesmo gritava Jesus: «os últimos serão os primeiros». Maria leva-nos a acolher a Boa Nova de Jesus: Deus é dos pobres.


Maria ensina-nos como ninguém a seguir Jesus, anunciando o Deus da compaixão, trabalhando por um mundo mais fraterno e confiando no Pai dos pequenos.

J. A. Pagola

 

Caminhos Carmelitas

  • “Felizes os pobres em espírito, porque deles é o reino dos céus”
    Jesus começa a proclamar o seu caminho para a felicidade com um anúncio paradoxal: «Felizes os pobres em espírito, porque deles é o Reino dos Céus» (5, 3). Um caminho surpreendente, e um estranho...
  • “Ele é tudo”
    Entender e sentir como é imensa a Divindade, ao ponto de ser impossível conhecê-la totalmente, é um altíssimo entender. Por isso, uma das maiores mercês que Deus faz a uma alma nesta vida, […] é...
  • “O reino de Deus está próximo”
    A palavra “evangelho”, no tempo de Jesus, era usada pelos imperadores romanos para as suas proclamações. Independentemente do conteúdo, elas eram definidas “boas novas”, isto...
  • 5º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    Ser “sal” e ser “luz” Queridos irmãos e irmãs, bom dia! No Evangelho de hoje (cf. Mt 5, 13-16), Jesus diz aos seus discípulos: «Vós sois o sal da terra […] Vós sois a luz do mundo» (vv....
  • 5º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    “Vós sois o sal da terra, vós sois a luz do mundo” No Evangelho deste 5º Domingo do Tempo Comum – Ano A, que vem logo a seguir às bem-aventuranças, Jesus diz aos seus discípulos: «Vós sois o sal da...
  • Exame de consciência. Aprender e descobrir caminhos novos
    – Pensar sobre a vida e viver a vida bem pensada não é a mesma coisa. É perigoso ficar de fora a viver a própria vida e a dos outros. Árbitros de bancada há muitos. O importante é jogar melhor...

Santos Carmelitas