Frei Miguel do Rosário Marques, O. Carm. – 13. Dezembro. 1934 / 23. Novembro.2020

Miguel do Rosário Marques nasceu a 13 de Dezembro de 1934, na Freguesia de Santa Catarina, concelho de Caldas da Rainha, numa família numerosa. Era o mais novo dos vários irmãos.

Alguns dos seus sobrinhos, mais velhos, numa atitude de respeito para com o tio, mesmo sendo mais novo, costumavam “pedir-lhe a bênção”.

Tendo terminado o tempo da Escola Primária pediu para ser admitido ao Seminário Me­nor do Patriarcado de Lisboa, situado em Santarém, que frequentou durante dois anos.

Surgiu, entretanto, a oportunidade de vir para a Ordem do Carmo, tendo ingressado no Seminário Menor da Ordem do Carmo, na cidade de Braga, por volta do ano de 1952. Estava este Seminá­rio no segundo ano de sua fundação.

Entusiasmou-se com os estudos e, sobretudo, com a animação recreativa dos seus com­panheiros mais novos, animando-os no desempenho de várias representações teatrais.

No ano 1955/56 fez o Noviciado, tendo emitido a Profissão Simples (temporária) em 10 de Maio de 1956.

Durante o tempo de discernimento, característico do noviciado, optou por seguir a Vocação Religiosa Carmelita, renunciando aos estudos necessários para ace­der ao sa­cerdócio ordenado.

Assim, desenvolveu a sua missão religiosa e carmelita numa atitude de completa e hu­milde disponibilidade para servir os Irmãos dentro e fora da Ordem com uma simplici­dade e dedicação notáveis.

Professou solenemente na Ordem em 12 de Maio de 1959.

Foram muitas e diversas vezes que passou pelas comunidades carmelitas de Portugal: Santa Isabel (Lisboa); Braga (seminário da Falperra, seminário do Sameiro, onde cola­bo­rou na formação dos seminaristas); Fátima (na gestão da loja de objectos religiosos da Casa São Nuno); Roma, no Colégio Internacional de Santo Alberto (onde durante quatro anos prestou generosos serviços na cozinha do Colégio); e, principalmente, na Quinta da Mata, Felgueiras, cuja manutenção e entrega pastoral muito o entusiasma­va.

Sempre foi um defensor da presença dos carmelitas nesse local, distinguindo-se pela sua perso­nalidade cativante  e acolhedora de quantos se abeiravam da comunidade.

Foi declinando, a pouco e pouco, e perdendo as suas forças físicas, apesar da dedica­ção dos seus confrades e pessoas amigas, até que surgiram várias complicações que o leva­ram a necessitar de ajuda hospitalar. A doença, porém, levou-o para a vida eterna, cha­mado pelo Pai, na manhã do dia 23 de Novembro de 2020.

Paz à sua Alma!

Caminhos Carmelitas

  • “Vigiai, portanto, e orai em todo o tempo”
    “Velai”, a vigilância. Façamos uma pausa sobre este aspeto importante da vida cristã. Das palavras de Cristo vemos que a vigilância está ligada à atenção: estai atentos, vigiai, não vos distraiais,...
  • Vem, Senhor Jesus
    Desperta-nos, Senhor, que os nossos corações não adormeçam por acomodação, que os nossos olhos não ceguem por causa da indiferença, que os nossos lábios não condenem por murmuração, que os nossos...
  • Do Advento ao Natal – Semana 1
    Apresentamos uma proposta de itinerário “Do Advento ao Natal” para rezar em cada dia do Advento. Cada etapa é constituída por uma frase da Sagrada Escritura e um propósito programático para viver e...
  • Tem confiança e não temas
    Não temas, quando mais pobre fores, mais Jesus te amará. Ele irá longe, bem longe para te procurar, se por vezes te extravias um pouco. Santa Teresinha do Menino Jesus
  • São José, homem próximo e fiel
    São José, vós que guardastes o vínculo com Maria e Jesus, ajudai-nos a cuidar das relações na nossa vida. Que ninguém experimente o sentimento de abandono que vem da solidão. Que cada um de nós se...
  • A organização do Ano Litúrgico
    O Ano Litúrgico é um período de doze meses, organizado em tempos litúrgicos, em que se celebram os principais acontecimentos da vida de Jesus e de Maria e em que se comemoram os Santos. Começa no...

Santos Carmelitas