Carta do Padre Geral à Família Carmelita, por ocasião da Festa de Nossa Senhora do Carmo 2022

Irmãos e irmãs da Família Carmelita:

Ao aproximar-se a solenidade de Nossa Senhora do Carmo, encontramo-nos em clima de festa. Queremos celebrar e agradecer a Deus por tudo o que Nossa Senhora do Carmo significa para nós. Em particular, queremos agradecer a Deus e a Nossa Senhora porque o medo que tínhamos à Covd 19, no ano passado, por esta altura, diminuiu e a vida de muitos está a voltar a uma certa normalidade. Ao mesmo tempo, continuamos a pedir a proteção de Nossa Se­nhora para nós e para o mundo.

Este ano fomos abençoados com a canonização de São Tito Brandsma. Quem pode esquecer aqueles dias de alegria e felicidade em Roma, e aquele momento na Praça de São Pedro quando, junto com outros nove discípulos de Cristo, nosso irmão Tito foi declarado santo?

Infelizmente, este ano foi também marcado pela invasão da Ucrânia pelas forças rus­sas, so­mando-se a tantos outros males que causam muito sofrimento a pessoas ino­centes em todo o mundo. Pensemos nos muitos deslocados e sem abrigo que vivem em campos de refugiados, muitos deles mulheres e crianças. Enquanto isso, os homens continuam a ser atraídos para a luta em conflitos que não desejaram.

A festa de Nossa Senhora do Carmo e o exemplo e inspiração de São Tito Brandsma convidam-nos, este ano, a refletir sobre o dom do Carmelo, vivido pelo nosso novo santo. Podemos ver que o Carmelo nos oferece a motivação mais profunda para tra­balhar pela paz. Podemos con­templar e fazer nosso o desejo de Deus pela paz e a plena dignidade da pessoa humana.

Enquanto Maria estava junto à cruz, com João, o discípulo amado, e as outras mulhe­res, Jesus criou naquele momento um novo tipo de família humana, construída não sobre laços de san­gue, mas baseada em pessoas que cuidam umas das outras das ou­tras. Agora é o filho que acolhe a mãe em sua casa. As coisas mudaram. O sonho e o projeto é que os filhos e filhas venham ao mundo e, à medida que crescem, o façam com a capacidade de cuidar do que existe para o transmitir aos filhos e filhas que virão depois.

Tanto o coronavírus como o acolhimento dos refugiados do conflito na Ucrânia nos deram, em muitos casos, novos exemplos de como as pessoas cuidam umas das outras, especial­mente em tempos de profundo sofrimento. Ao observarmos as precauções em torno do co­ronavírus, sabíamos que nos estávamos a proteger a nós mesmos e aos outros também. Quando aceitámos restringir o nosso contato social, fizemo-lo para ajudar a impedir a propa­gação do vírus, algo que agora, graças a Deus, parece estar ao nosso alcance. Entretanto, che­gou às nossas portas o fluxo de refugiados do conflito na Ucrânia. Houve em toda a Europa houve uma atitude de acolhimento que, inclusi­vamente, nos surpreendeu a nós mesmos. Go­vernos e cidadãos abriram seus escritó­rios e casas de família para receber pessoas que se viram, de repente, na necessidade de abandonar as suas casas e meios de subsistência para procurar refúgio de um ata­que que caía do céu.

O Monte Carmelo representa para nós um lugar de encontro místico e fraterno, onde os ir­mãos alcançaram um conhecimento mais profundo de Deus e dos outros através de sua vida de solidão e comunidade, meditando dia e noite na lei do Senhor. Este é também o nosso caminho. Sob a proteção da Bem-Aventurada Virgem Maria, em ob­séquio de Jesus Cristo, através de nossa solidão e junto com nossos irmãos, construí­mos com eles uma cultura de paz para, assim, fazer nascer uma Palavra de Paz no mundo.

Todas as semanas, na Liturgia das Horas, repetimos o cântico de Isaías, que fala do monte da paz.

Sucederá nos días que hão-de vir

que o monte do templo do Senhor

se há-de erguer no cimo das montanhas

e se elevará no alto das colinas.

A montanha mais alta é a mais digna de louvor. Se tivesse voz, a sua voz seria a que mais es­cutaríamos. No meio das muitas vozes que nos dizem o que deve acontecer no mundo, da­mos atenção na oração à voz que fala de verdade, transparência e amor, uma voz e uma vi­são que estão acima de todas as outras visões, especialmente as que se baseiam na preser­vação dos interesses adquiridos de alguns, enquanto mi­lhões de pessoas passam forme, não têm casa, foram deslocadas.

Ali afluirão todas as nações

e muitos povos acorrerão dizendo:

“Vinde, subamos ao monte do Senhor,

ao templo do Deus de Jacob.

Ele nos ensinará os seus caminhos,

e nós andaremos pelas suas veredas”.

A montanha está ao alcance de todos, mas precisa de pessoas para guiar o caminho. Aqui entendemos como nos ajudamos e nos convidamos a procurar os caminhos do Senhor, o ca­minho mais alto, aquele que respeita a plena dignidade da pessoa hu­mana e aquele que es­cuta o clamor de cada um dos filhos de Deus.

porque de Sião há-de vir a lei

e de Jerusalém a palavra do Senhor.

O monte Sião e Jerusalém, a cidade construída no alto, à qual o povo sobe cantando as suas canções, tornou-se hoje um lugar de conflito. Continuam a ser, para os crentes, a representa­ção do compromisso e da proximidade de Deus com o seu povo, através de um povo e lugar escolhidos. É em Jerusalém que Deus estabelecerá a paz para o seu povo. "Paz para Jerusa­lém". (Sal 122)

Ele será juiz no meio das nações

e árbitro de povos sem número.

Onde estão, hoje, os líderes que falam de julgamento justo, que procuram a sabedoria supe­rior de Deus, para assim encontrar a sabedoria que resolve os conflitos e marca o caminho que leva à paz e ao bem-estar de todos? O julgamento deve ser baseado na verdade e na sabedoria. A nossa sabedoria vem da Palavra da Sabedoria. Encontramo-la em Maria e nos santos do Carmelo. É a sabedoria pela qual somos capazes de julgar tudo o que vemos à nossa volta. Nesse julgamento vemos a obra da salvação, e acres­centamos o nosso sim e a nossa colaboração à obra de Deus.

Das espadas farão relhas de arado

e das lanças forjarão foices.

Não levantará a espada nação contra nação

nem mais se hão-de preparar para a guerra.

Não é isso o que todos gostaríamos de ver? Durante meus anos no Peru, costumava ver as crianças a desfilar na praça da cidade, no Dia da Independência, com espingardas e metralha­doras de brincar nas mãos. Naquela tenra idade, eram ensinadas a pensar que uma arma de destruição era mais importante como forma de defesa da nação do que um instrumento de trabalho honesto, uma caneta, uma pá, umas agulhas de tricô, um crucifixo. A imagem que temos de Tito Brandsma é a de um pacificador, no meio dos seus livros, com a caneta ou o cachimbo na mão, em conversa profunda com cole­gas, companheiros carmelitas, estudantes. Para ele, um jornal era uma forma de de­fender a verdade e a liberdade de cada pessoa hu­mana.

Tito Brandsma procurava a motivação mais profunda em tudo o que fazemos e espe­ramos. Via os Carmelitas como pessoas portadoras da Palavra, tal como Maria era por­tadora da Pala­vra. Essa Palavra é paz. Aqueles que receberam essa Palavra, e a apre­ciam, são pessoas que podem levar essa Palavra ao mundo e fazer com que ela nasça no mundo. Nas suas notas para um retiro, Tito sugeriu que "de Maria devemos apren­der a tirar de nossos corações tudo o que não pertence a Deus. Dela podemos aprender a abrir nossos corações a Deus, de modo que se encham da sua graça. Então Jesus entrará, nascerá de novo em nós e crescerá em nós. Tornar-se-á visível nas coisas que fazemos e viverá em nós. Quanto menos cheios de Deus estivermos, mais pobre será a nossa vida. Com Maria, cheia de graça, viveremos a vida de Deus e encontraremos na nossa união com o Senhor a nossa própria glória e salvação".

Os nossos fundadores do Monte Carmelo conceberam um modo de vida que era uma fórmula de paz, como resposta às forças armadas que os impediam de entrar na Cidade Santa, Jerusa­lém. Maria estava no centro desse plano de paz. Eles não recorreriam ao conflito armado, mas vestiriam a armadura de Deus.

Assim como São Tito rezou para que, um dia, a Alemanha e a Holanda trilhassem juntos o caminho da paz, a minha oração para todos nós, ao aproximar-nos da Solenidade de Nossa Senhora do Carmo, é que aprendamos verdadeiramente os caminhos da paz desde a mais tenra infância até o fim de nossos dias, e, com o profeta, digo: Ó casa de Jacó, vinde, caminhe­mos à luz do Senhor. Que os carmelitas de todo o mundo cum­pram com a sua vocação de serem portadores da Palavra, e que essa Palavra seja real­mente a Palavra que é a Paz.

Fraternalmente,

Míċeál O'Neill, O. Carm.

Prior Geral

Caminhos Carmelitas

  • Rezar todos os dias do Advento 2022 – 2ª Semana
    Domingo, 4 de Dezembro: Está perto o Reino dos Céus Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas (Jo, 3, 3). Que valores e prioridades contam na minha vida?  Oração: Deus omnipotente e...
  • Oração de bênção da coroa do Advento
    Senhor, nestes dias, a terra alegra-se, e a tua Igreja transborda de alegria, diante do teu Filho, nosso Senhor, que chega como luz esplendorosa, para iluminar os que jazem nas trevas da ignorância,...
  • Discernimento: a consolação autêntica
    Continuando a nossa reflexão sobre o discernimento, hoje perguntamo-nos: Como reconhecer a autêntica consolação? Santo Inácio de Loiola dá-nos alguns critérios, convidando-nos a verificar se, nos...
  • Deus vem
    No Evangelho da Liturgia de hoje ouvimos uma bonita promessa que nos introduz no Tempo de Advento: «Virá o vosso Senhor» (Mt 24, 42). Este é o fundamento da nossa esperança, é o que nos sustenta até...
  • Rezar todos os dias do Advento 2022 – 1ª Semana
    Domingo, 27 de Novembro: Estar preparado Portanto, vigiai, porque não sabeis em que dia o vosso Senhor vem. (Mt 24, 42). O que significa para mim “estar vigilante”, “atento” e “preparado” para...
  • Discernimento: a consolação
    Outro elemento do discernimento é a consolação; trata-se de uma experiência profunda de alegria interior, tão suave e delicada como uma gota de água que cai numa esponja, mas tão audaz que não se...

Santos Carmelitas