Bodas de Ouro Sacerdotais de D. Vitalino Dantas

alt

Santuário do Sameiro - Braga

03. Agosto 1968 | 03. Agosto. 2018

Parada de Gatim - Vila Verde (Braga)

04. Agosto.1968 | 05. Agosto. 2018


António Vitalino Fernandes Dantas nasceu em Santa Marinha de Oleiros, Vila Verde, Arqui­diocese de Braga), a 3 de Novembro de 1941.

Filho de Manuel da Silva Dantas e de Rosa Augusta Fernandes.

Aos 5 anos foi residir para Parada de Gatim, também do concelho de Vila Verde.

Entrou no Seminário Carmelita da Falperra em 1957.

Fez o Noviciado em Longra-Douro (Felgueiras) em 1960 / 61; a Profissão Simples, em 8 de Setembro de 1961 e a Solene, em 10 de Julho de 1965.

Iniciou os estudos de Filosofia e Teologia no Instituto "Sedes Sapientiae" dos Padres Domini­canos, em Fátima, de 1961 a 1966 e terminou-os na Universidade de Mogúncia, Alemanha, que frequentou a partir de 1966.

Recebeu a ordenação sacerdotal a 3 de Agosto de 1968, no Santuário do Sameiro, Braga, das mãos de D. António Ribeiro.

Continuou os estudos nas universidades de Mogúncia e de Friburgo, na Alemanha, ocupan­do-se, simultaneamente, na pastoral dos emigrantes.

Regressou a Portugal em 1966, onde exerceu diversos cargos na Ordem do Carmo em Por­tugal, à que pertence.

Foi pároco de Santo António dos Cavaleiros e Frielas de 1977 a 1984.

Bispo Auxiliar do Patriarcado de Lisboa, nomeado a 3 de Julho de 1996, com o título de Tlós, na Turquia, e ordenado a 29 de Setembro de 1996, na igreja dos Jerónimos, pelo Cardeal Patriarca de Lisboa, D. António Ribeiro.

Anteriormente, a nível diocesano, foi membro do Conselho Pastoral Diocesano e Consultor eclesiástico do Secretariado Executivo da Comissão Nacional das Comemorações dos 5 Sécu­los de Evangelização e Encontro de Culturas Reitor da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, no Largo do Rato, em Lisboa.

Em 25 de Janeiro de 1999 foi nomeado bispo de Beja, tendo tomado 11de Abril de 1999.

Ao atingir os 75 anos de idade, como prescrito nas leis da Igreja, apresentou a Sua Santidade o Papa Francisco o seu pedido de resignação, que lhe foi concedido.

Pode ver mais em: https://www.youtube.com/watch?v=VMQUagCnAac

 

Caminhos Carmelitas

  • Confissão, sacramento da alegria
    Qual é o centro: os pecados ou o Pai que perdoa todos os pecados? O Pai. Não vamos confessar-nos como pessoas castigadas que se devem humilhar, mas como filhos que correm para receber o abraço do...
  • Festa da exaltação da santa cruz
    «Nós – declara São Paulo – pregamos Cristo crucificado (…), poder e sabedoria de Deus». Entretanto o Apóstolo não esconde que a cruz, aos olhos da sabedoria humana, aparece diversa: é...
  • Mão amiga e benfazeja
    Sendo a mão de Deus tão leve e suave, como é que a sente tão pesada e adversa? Sem pressionar ou apertar, Deus apenas a tocou misericordiosamente para lhe trazer benefícios e não para a castigar....
  • 24º Domingo do Tempo Comum – Ano B
    O texto evangélico do 24º Domingo do Tempo Comum – Ano B, descreve a cegueira de Pedro que não entende a proposta de Jesus quando fala do sofrimento e da cruz. Pedro aceita Jesus como Messias,...
  • Somos filhos de Deus
    Na Carta aos Gálatas, São Paulo exorta os cristãos a não esquecerem a novidade radical que supõe o batismo na vida dos fiéis. O batismo não é meramente um rito exterior. Ser batizado significa...
  • És morada de Deus, sempre e em toda a parte
    Pensais que importa pouco a uma alma distraída (…) ver que, para falar a seu Eterno Pai, não precisa de ir ao Céu, nem para se consolar com Ele é mister falar em voz alta? Por muito baixo que fale,...

Santos Carmelitas