Os verbo do Pastor: ver, ter compaixão e ensinar

Os verbo do Pastor: ver, ter compaixão e ensinar

 

alt 

 

O Evangelho de hoje (16º Domingo, Ano B) narra-nos como os apóstolos, após a sua primeira missão, retornam para onde Jesus estava e contaram-lhe tudo aquilo que tinham feito e ensinado. Os apóstolos, depois da experiência da missão, certamente entusiasmante, mas também esgotante, tinham necessidade de descanso. Jesus, cheio de compreensão, preocupa-se em assegurar-lhes um pouco de alívio e diz: Vinde sozinhos para um lugar deserto e descansai um pouco. Entretanto, nesta ocasião a intenção de Jesus não se pôde realizar, porque a multidão, intuindo o lugar solitário para onde a barca os levava, chegou ao lugar antes deles.

 

O mesmo também pode acontecer hoje. Às vezes, não conseguimos realizar os nossos projectos porque surge um imprevisto urgente que modifica os nossos programas e que requer da nossa parte flexibilidade e disponibilidade para com as necessidades dos demais. Quando isto acontece, somos chamados a imitar tudo o que Jesus fez: “Ao desembarcar, Jesus viu uma numerosa multidão e teve compaixão, porque eram como ovelhas sem pastor. Começou, pois, a ensinar-lhes muitas coisas”. Nesta breve frase, o evangelista oferece-nos um flash de singular intensidade, fotografando os olhos do divino Mestre e a sua atitude. É nesta frase que se mostram os três verbos que devem guiar toda a acção pastoral: ver, ter compaixão e ensinar. Podemos chamá-los de “os verbo do Pastor”.

 

O olhar de Jesus não é um olhar neutro, frio ou distanciado, porque Jesus sempre olha com os olhos do coração. E o seu coração é tão terno e tão pleno de compaixão, que sabe acolher as necessidades também mais escondidas das pessoas. A sua compaixão não indica simplesmente uma reacção emotiva frente a uma situação de inquietude das pessoas, mas vai mais além: é a atitude e a predisposição de Deus para com o homem e a sua história.

 

Dado que Jesus comoveu-se ao ver todas aquelas pessoas necessitadas de guia e de ajuda, poderíamos esperar que ele fizesse um milagre. Entretanto, pôs-se a ensiná-las, a ensiná-las muitas coisas. Eis o primeiro pão que o Messias oferece à multidão faminta e necessitada: o pão da Palavra. Todos nós necessitamos de palavras de verdade que nos guiem e que iluminem o nosso caminho. Sem a verdade, que é o próprio Cristo, não é possível encontrar a orientação correcta na vida. Ao contrário, quando nos afastamos de Jesus e do seu amor, perdemo-nos e a existência transforma-se em desilusão e em insatisfação.

 

Com Jesus ao nosso lado, podemos proceder com segurança, podemos superar as provações, progride-se no amor para com Deus e para com o próximo. Jesus fez-se dom para os demais, tornando-se assim modelo de amor e de serviço para cada um de nós.

 

Papa Francisco, Angelus (resumo) de 22 de Julho de 2018

 

Caminhos Carmelitas

  • Santa Teresa de Jesus – 15 de Outubro
    – Por males que faça, quem começou a ter oração, não a deixe, pois é o meio por onde pode tornar a emendar-se e, sem ela, será muito mais dificultoso. […] A quem ainda não a começou, por amor...
  • Cura a lepra do meu coração e dá-me um coração de filho
    Dá-me um coração de filho! Sim, Pai, dá-me um coração de filho, um coração que confie e que se abandone, um coração manso e humilde, um coração que se entregue e se renda, e, sobretudo, um coração...
  • 28º Domingo do Tempo Comum – Ano C
    “A tua fé te salvou” (Lc 17, 19) «A tua fé te salvou» (Lc 17, 19). É o ponto de chegada do Evangelho de hoje, que nos mostra o caminho da fé. Neste percurso de fé, vemos três etapas:...
  • Peregrinação internacional aniversária de Outubro
    Nos dias 12 e 13 de Outubro realiza-se a Peregrinação internacional aniversária de Outubro à Cova da Iria que evoca a 6ª aparição de Nossa Senhora do Rosário de Fátima aos pastorinhos em 1917. O que...
  • Fidelidade e contemplação
    Deus abençoou o Carmelo com um carisma original para enriquecer a Igreja e para comunicar ao mundo a alegria do Evangelho, partilhando o que recebestes com entusiasmo e generosidade: “De graça...
  • O Senhor pintou a sua palavra com muitas belezas
    Quem poderá compreender, Senhor, toda a riqueza duma só das tuas palavras? Como o sedento que bebe da fonte, muito mais é o que perdemos do que o que tomamos. A tua palavra apresenta muitos aspectos...

Santos Carmelitas