Reflexões a propósito do coronavírus

Nada será como dantes

A pandemia do coronavírus anda por aí, associada a outra não menos grave: a pandemia do medo. Ignoramos o que nos espera em termos de sofrimento, de morte, de devastação económica e social, de alteração do nosso estilo de vida.

Bastou um micróbio para que as nossas agendas, prioridades, programações fossem por água abaixo. Em face da vida, da saúde, da família, tudo ficou relativizado. Confiávamos no poder da ciência e da tecnologia, no progresso imparável, na força do dinheiro e das armas, noutros deuses falsos, mas surge sorrateiramente o novo coronavírus, põe à mostra os nossos pés de barro e obriga-nos a fazer o impensável: deixar a normalidade e adotar comportamentos totalmente opostos aos que tínhamos dias antes. Nada mais.

Nunca nos tínhamos visto noutra assim e descobrimos como era bom estarmos juntos. Há quanto tempo não falávamos com a mãe, com os filhos, com os avós, ou não chamávamos pelo telefone aquela pessoa que há muito não víamos…

Quem diria que era possível alterar os nossos hábitos de consumo e com isso melhorar substancialmente todos os indicadores ambientais!

Ou que viéssemos a perceber o que desde sempre ouvimos: que as crises e os problemas podem tornar-se imponentes oportunidades. As mais belas páginas da Bíblia foram escritas em tempos de êxodo, exílio ou perseguição. Os nossos antepassados também sentiram na pele o encerramento ou a quarentena em diversas alturas, algumas – não o esqueçamos – em épocas não muito recuadas. As dificuldades nunca amedrontaram os que tinham posto a sua confiança em Deus, um Deus tão fortemente comprometido com a sorte dos seres humanos, que até se fez um deles.

Oportunidade, esta, para tomarmos consciência na nossa vulnerabilidade! A fragilidade da nossa organização social, dos nossos sistemas de saúde, da existência de cada um de nós, independentemente do seu poder ou estatuto.

Oportunidade para compreendermos que “nenhum homem é uma ilha” e que ou nos salvamos juntos ou nos afogamos todos estupidamente. Alguém disse que “esta terrível experiência que estamos a viver constitui apenas uma antecipação, e um aviso, do que nos espera com as alterações climáticas”. Não seria difícil multiplicar os exemplos.

Fizemos descobertas lindas. Que a empatia e o sentido comunitário não estão mortos na nossa Humanidade, apenas hibernados. Em vez de cada um se refugiar no “salve-se quem puder”, a crise fez vir ao de cima o melhor das pessoas. Os cristãos viram na solidariedade um instrumento privilegiado para tornarem visível o carinho e a proximidade desse Deus que dizem ser Amor. Fecharam-se templos, mas de modo algum se fechou o coração dos crentes. Como se lia numa faixa estendida por chineses, em Bérgamo, na Itália, “somos ondas do mesmo mar, folhas das mesmas árvores, flores do mesmo jardim”.

Nestes dias tivemos a prova de que “a beleza é que salva o mundo”. O que nos resgata da selvajaria é a Arte, como se vê pelo aguaceiro de vídeos com atuações musicais, pela multidão de pessoas soltando canções à janela, pelos humoristas que subiram à ribalta das redes sociais, pelas listas de livros para ler e de filmes para ver em família.

Com tudo isto reverdece a esperança de que levaremos de vencida outros vírus piores que infestam a Humanidade: a violência, a insensibilidade, o egoísmo…

Já não é pouco.

Onde está Deus no meio de isto tudo?

Segundo o profeta Oseias, Deus leva o seu povo ao deserto para lhe falar ao coração. É assim que vejo a “Quarestena” que atravessamos. Tempo para orar, para conviver, para descansar, para refletir sobre muita coisa.

Bastaram poucos dias para assistimos ao fecho da nossa civilização: viagens, comércio, indústria, serviços, cessaram quase por completo; milhões de pessoas tiveram de recolher a casa; o número de infetados e de mortos não para de subir.

Os cristãos cedo aprenderam a lidar com epidemias. Nos meados do século III, Dionísio, bispo de Alexandria, enviou uma mensagem de Páscoa em que fala de uma delas: “Esta enfermidade surgiu do nada; é uma coisa mais aterradora do que qualquer desastre”.

Embora os caminhos de Deus sejam misteriosos, sabemos que Ele não causa o mal, mas sempre tira dele algum bem. Podemos confiar no seu amor pelas suas criaturas, por cada um de nós. Ou não tivéssemos visto o coração de seu Filho, Jesus Cristo. Por onde quer que Ele passasse levava o amor de Deus aos cegos e aos surdos, aos epiléticos e leprosos, aos aleijados ou doentes crónicos. E mandava à sua gente que fizesse o mesmo.

A exemplo dele, os cristãos deram a vida pelos irmãos, sobretudo em épocas de chagas e de epidemias. Cuidaram dos enfermos, enterraram os mortos, consolaram os aflitos, enxugaram as lágrimas, por vezes com grande sacrifício e risco da própria vida. Damião de Molokai ou Teresa de Calcutá são apenas dois exemplos.

Estes nossos dias também ficarão na história como um tempo em que homens e mulheres realizaram admiráveis feitos de coragem e de devoção ao próximo. Vejam esses médicos e enfermeiros, esses padres e religiosas, essas forças de segurança e de socorro, essas legiões de leigos que, nas variadas frentes, fizeram “disparar” o voluntariado. Ignoramos os nomes, mas sabemos que no meio dessa gente estão na forja muitos heróis e santos.

Difíceis tempos estes em que os filhos visitam os pais, e os amigos procuram os amigos, mas ficam a dois metros, com medo de os infetarem. Estranhos dias que nos deixam sem abraços, sem beijos, sem carícias.

Embora nos doa o coração, tem de ser. Mas lá por mantermos um “distanciamento social” ou comunicarmos apenas eletronicamente, a proximidade, a ternura, a compreensão não baixam de intensidade.

Já percebemos que “pandemia” vem de duas palavras gregas: “pan”, que significa “todos”, e “demo”, que significa “povo” ou “população”. A pandemia pode atingir todas as pessoas, globalizou-se. Requer, por parte de todos nós, uma pandemia de oração, de carinho, de generosidade, de amor. Uma “erupção” pandémica de responsabilidade. Um “contágio” pandémico de esperança.

Onde está Deus no meio de isto tudo? Está onde sempre esteve: com o ser humano. Já um salmista rezava: “Nas tuas mãos está o meu destino”. Se Deus deixasse de nos amar, ficaria desempregado. Está, pois, aí respeitando a liberdade humana: do mau uso da mesma derivam por vezes situações nefastas, mas reside também nela a solução das mesmas, se não nos faltar a necessária consciência e responsabilidade.

Onde está Deus no meio de tudo isto? Está precisamente aí, a inspirar, a provocar essa nossa responsabilidade, bem como o nosso altruísmo, o nosso apoio de uns aos outros. A resposta a essa pergunta, afinal, é sempre antiga e sempre nova: Onde há caridade e amor, Deus está aí.

Abílio Pina Ribeiro, cmf

Saberá a Primavera

Que nós estamos à espera?

Ousará atravessar

as nossas ruas desertas,

pendurando nas varandas

a magia das glicínias?

Deixará o seu sorriso

esculpido em nossos prados,

pintando os nossos jardins

de verde, vermelho e branco?

Saberá a primavera

que nós estamos à espera?...

Quando vier e não nos vir

nem nas ruas nem nos bairros,

quando não ouvir no parque

o passo dos anciãos,

nem a barulheira alegre

das crianças a brincar,

julgará que se enganou

na data do calendário,

que desde sempre é em março?

Saberá a primavera

que cá estamos à espera?

Quando rebentar alegre

enchendo de pontos brancos

as lindas amendoeiras,

e não vir a Virgem Santa

passear no seu andor,

e ninguém lhe atirar pétalas

nem a proclamar “Guapa!”;

quando vir guardado o incenso,

o trono, a cruz e o pálio,

e Cristo, como nós todos,

em sua casa fechado,

sem o deixarem sair

mesmo no dia de Páscoa...

Pensará a primavera

que se terá enganado?

Escutará os lamentos

de quem não vai ao emprego,

de quem trabalha a desoras

para ajudar seu irmão,

de quem expõe sua vida

em silêncio e esquecido?

Escutará cada noite

os vivas, os aplausos

que damos com alegria

ao pessoal da saúde?

Pensará a primavera

que se terá enganado

e arrumará suas cores

até daqui a um ano?

Saberá a primavera

que nos proibiram o beijo,

que nos proibiram o abraço?

Saberá a primavera

que até sonhamos com ela?

Assomados à varanda da Esperança,

esperamos que nos ofereça o milagre

de vermos florir a vida

que hoje nos foge das mãos...

Sê bem-vinda, primavera!

Vem pintar de azul-celeste

esta terra em que moramos.

Não sentis que neste mundo

algo novo está brotando?

Talvez seja a primavera,

sabe que estamos à espera…

(Lucía Carmen de la Trinidad, Carmelita descalza. Antequera)

Caminhos Carmelitas

  • A cruz
    Assim, o compromisso de “tomar a cruz” torna-se participação com Cristo na salvação do mundo. Pensando nisto, façamos com que a cruz pendurada na parede de casa, ou a pequena que usamos ao peito,...
  • 23º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    “Se o teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, só entre ti e ele” (Mt 18, 15) A passagem do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum – Ano A (cf. Mt 18, 15-20), fala-nos da correcção fraterna, e...
  • 22º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    O Filho do homem tem de sofrer muito, tem de ser morto e ressuscitar ao terceiro dia O trecho do Evangelho de hoje (cf. Mt 16, 21-27) está ligado ao do domingo passado (cf. Mt 16,13-20). Depois de...
  • Seguir Jesus
    Quem verdadeiramente ama Jesus há-de subir o Calvário. Beato Tito Brandsma
  • Pai Nosso
    Pai nosso, que estás acima de tudo como o céu, faz que o Teu nome seja glorificado e reconhecido como santo. / Mostra a todos que só Tu és Deus, reunindo definitivamente o Teu povo disperso e...
  • Santa Maria de Jesus Crucificado, OCD – 25 de Agosto
    Santa Maria de Jesus Crucificado (Maria Baouardy) nasceu a 5 de Janeiro de 1846, em Ibillin, pequena aldeia da Galileia, entre Nazaré e Haifa. O seus pais perdem, um após outro, os doze filhos em...

Santos Carmelitas