Consagração a Nossa Senhora do Sameiro, em tempo de pandemia

“Tu podes, és Mãe de Deus; e deves, és nossa Mãe”

Não estamos aqui pelo nosso merecimento. Sabemos das nossas falhas, dos nossos egoísmos, das nossas petulâncias, das nossas desobediências, dos nossos desnortes, dos nossos orgulhos, da mania de sermos deuses que mandam na vida e nisto tudo… Estamos aqui porque acreditamos em Ti, no teu poder mediador, na relação única que tens com Deus e no amor que nos dedicas.
Fomos chamados à realidade da nossa pequenez. Fomos chamados ao essencial, que andava escondido por entre imensas superficialidades. Fomos chamados à redescoberta do verdadeiro sentido da amizade, da fraternidade, da comunhão, da solidariedade, da família, dos amigos, do trabalho, da escola, da vida, até do recolhimento e do silêncio.
Agora, Mãe amada, com a lição aprendida, deixa-nos voltar à rua, deixa-nos ir para a vida nova, pautada pelo coração, pelo amor a Deus e a Ti, pelo amor ao próximo, pela “toalha à cintura”, pelo desprendimento generoso, pelo abraço sincero ao irmão.
Mãe querida, ilumina os insensatos, os imprudentes, os iludidos, os que ainda não conseguem ver para além da riqueza, da economia e da matéria.
Cuida também e gratifica os cuidadores: todos os que dão a cara, a vida, o conhecimento e o esforço a fim de se evitar tragédia maior. Estou a recomendar-te os médicos, os enfermeiros, o pessoal auxiliar, os farmacêuticos, os bombeiros, os prestadores de serviços, os cuidadores de velhinhos, todos, Mãe, todos os bons e generosos. Que eles sintam também a Tua bondade e generosidade.
Permite, Mãe querida, que as crianças voltem aos baloiços, à escola, e a lambuzar com beijos o rosto dos pais, dos manos, dos avós… Permite que os velhinhos passem tranquilos os últimos dias da sua vida. Permite que os diques se rompam e todos possam retornar a suas casas para abraçar e beijar. Permite que todos voltemos à rua, não como ameaça, não com desconfiança, mas como companheiros e irmãos, para continuarmos, unidos e solidários, o caminho da vida. Permite, Mãe, que continuemos a erguer as nossas taças para festejar vitórias, para festejar aniversários, para festejar nascimentos, para festejar o amor, para festejar regressos de gente querida. Permite, Mãe, que voltemos a viajar, a admirar o mundo belo por Deus criado, com sorriso nos lábios e sol nos dias. Permite, Mãe, que voltemos ao trabalho, rentabilizando os nossos dons em favor de Deus e do próximo. Permite, Mãe, que voltemos à vida normal, com ânimo, com júbilo, com vontade de sair de casa e abraçar o mundo.
Mãe, cuida do Brasil; cuida dos Estados Unidos da América; cuida da África; cuida do Equador; cuida da Itália; cuida da Alemanha e da Inglaterra; cuida da França e da Espanha; cuida de Portugal; cuida do mundo inteiro. E acolhe todos quantos se apressaram em partir deste mundo. Confiamos em Ti. Confiamo-nos, todos, a Ti. Afinal - nós sabemos, nós acreditamos: “Tu podes, és Mãe de Deus”. Mas não Te esqueças: Tu também deves. Sim, és nossa Mãe, a nossa querida Mãe, a Senhora do Sameiro!

Pe. Paulo Abreu

Caminhos Carmelitas

  • A cruz
    Assim, o compromisso de “tomar a cruz” torna-se participação com Cristo na salvação do mundo. Pensando nisto, façamos com que a cruz pendurada na parede de casa, ou a pequena que usamos ao peito,...
  • 23º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    “Se o teu irmão pecar contra ti, vai corrigi-lo, só entre ti e ele” (Mt 18, 15) A passagem do Evangelho do 23º Domingo do Tempo Comum – Ano A (cf. Mt 18, 15-20), fala-nos da correcção fraterna, e...
  • 22º Domingo do Tempo Comum – Ano A
    O Filho do homem tem de sofrer muito, tem de ser morto e ressuscitar ao terceiro dia O trecho do Evangelho de hoje (cf. Mt 16, 21-27) está ligado ao do domingo passado (cf. Mt 16,13-20). Depois de...
  • Seguir Jesus
    Quem verdadeiramente ama Jesus há-de subir o Calvário. Beato Tito Brandsma
  • Pai Nosso
    Pai nosso, que estás acima de tudo como o céu, faz que o Teu nome seja glorificado e reconhecido como santo. / Mostra a todos que só Tu és Deus, reunindo definitivamente o Teu povo disperso e...
  • Santa Maria de Jesus Crucificado, OCD – 25 de Agosto
    Santa Maria de Jesus Crucificado (Maria Baouardy) nasceu a 5 de Janeiro de 1846, em Ibillin, pequena aldeia da Galileia, entre Nazaré e Haifa. O seus pais perdem, um após outro, os doze filhos em...

Santos Carmelitas