Vertigem

alt 

Estejam apertados os vossos cintos e acesas as vossas lâmpadas (Lc 12, 35) 

Uns chamam-na de “euforia do Verão”; outros “desregramento”. O certo é que, durante o Verão, é mais fácil advertir este tipo de vida cada vez mais frequente na sociedade ocidental e que foi qualificado por alguns analistas como “experiência da vertigem”.

Todos sabemos o que sucede quando subimos uma torre alta e olhamos para o solo. O vazio  arrasta-nos, e se não nos segurarmos fortemente em algo, corremos o risco de nos precipitarmos para o abismo. Algo disto pode acontecer na vida do indivíduo. O vazio interior pode provocar uma espécie de vertigem capaz de arrastar a pessoa para a sua ruína.

Quando se vive sem convicções profundas ou se carece de verdadeiros ideais, cria-se um vazio interior que deixa a pessoa à mercê de toda a espécie de impressões passageiras. Então, tudo o que produz euforia ou prazer seduz e arrasta. O indivíduo deixa-se levar por qualquer experiência que possa preencher a sua sensação de vazio. Necessita possuir e desfrutar tudo, agora mesmo e ao máximo.

Outra característica desta “vertigem existencial” é a busca do ruído. A pessoa não suporta o silêncio. O recolhimento aborrece. Necessita de se perder na agitação e no barulho. Desta forma, é mais fácil viver sem escutar nenhuma voz interior.

Esta vertigem conduz, em geral, a um estilo de vida onde tudo corre o risco de ficar desfigurado. Facilmente se confunde a alegria com a euforia, a festa com a orgia, o amor com o sexo, o descanso com a desfaçatez. A pessoa quer viver intensamente cada momento, frequentemente, não pode evitar a sensação de que pode estar-lhe a escapar algo importante da vida.

E, certamente, é assim. Na “experiência da vertigem” encerra-se um engano que Alfonso López Quintás resume com estas palavras: “As experiências fascinantes de vertigem prometem tudo, não exigem nada e acabam tirando tudo”. Para viver uma vida de vertigem, não faz falta nenhum esforço. Basta somente deixar-se levar pelos impulsos instintivos e ceder à satisfação imediata. O que se passa é que uma vida “desregrada” leva facilmente à dispersão, ao entorpecimento e à tristeza interior.

Temos de escutar o convite de Jesus para viver vigilantes: “Estejam apertados os vossos cintos e acesas as vossas lâmpadas”. Para viver de forma mais humana e mais cristã é necessário cuidar mais “do dentro” e alimentar melhor a vida interior. Não é de admirar que um mestre espiritual dos nossos dias afirme que o homem contemporâneo necessita de escutar o célebre lema de Santo Agostinho: “voltemos ao coração”.

J. A. Pagola

Caminhos Carmelitas

  • Quinta-feira santa
    Deus ter-nos-ia dado algo maior, se houvesse algo maior que Ele próprio. São João Maria Vianney
  • Via Sacra. Caminhar com Jesus em tempo de pandemia (III)
    VIA SACRA. CAMINHAR COM JESUS EM TEMPO DE PANDEMIA XI ESTAÇÃO Jesus é pregado na Cruz Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus, Que pela vossa santa cruz remistes o mundo. Do Evangelho segundo São...
  • Via Sacra. Caminhar com Jesus em tempo de pandemia (II)
    VIA SACRA. CAMINHAR COM JESUS EM TEMPO DE PANDEMIA VI ESTAÇÃO A Verónica limpa o rosto de Jesus Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Jesus, Que pela vossa santa cruz remistes o mundo. Do Livro do...
  • Via Sacra. Caminhar com Jesus em tempo de pandemia (I)
    VIA SACRA. CAMINHAR COM JESUS EM TEMPO DE PANDEMIA Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Ámen. O tempo que vivemos faz-nos parar. Interrompe a nossa vida, os nossos hábitos, as nossas...
  • Consagração a Nossa Senhora do Sameiro
    Consagração a Nossa Senhora do Sameiro “Tu podes, és Mãe de Deus; e deves, és nossa Mãe” Não estamos aqui pelo nosso merecimento. Sabemos das nossas falhas, dos nossos egoísmos, das nossas...
  • Semana Santa 2020 com São João da Cruz
    «O VERDADEIRO ESPIRITUAL» Leitura e meditação do Evangelho (Mt 27,11-14.45-50): Paixão do Senhor As duas pistas para pôr em prática durante a semana 1. Determino um momento na minha semana para...

Santos Carmelitas