Sobre os 750 Anos do Escapulário

CARTA DO PAPA JOÃO PAULO II

POR OCASIÃO DOS 750 ANOS DO ESCAPULÁRIO

 alt

 

Embora, esta Carta tenha sido publicada em 25 de Março de 2011 e dirigida aos Superiores da O. Carm. e OCD, e neles à Família Carmelita, temos o pressentimento que não se deu o devido relevo e conhecimento deste magnífico texto de São João Paulo II que desde muito cedo esteve unido ao Carmelo e “Também eu trago sobre o meu coração, desde há muito tempo, o Escapulário do Carmo!”. É com o propósito de alargar o conhecimento desta Carta, que agora a publicamos de forma resumida mas quase integralmente. 

2. As várias gerações do Carmelo, desde as origens até hoje, no seu itinerário até à “montanha santa, Jesus Cristo nosso Senhor” (Missal Romano, Colecta da Missa em honra da Bem-Aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo, 16 de Julho), procuraram plasmar as suas vidas segundo os exemplos de Maria.

Por isso, no Carmelo, e em toda a alma movida por um terno afecto para com a Virgem e Mãe Santíssima, floresce a contemplação d´Aquela que desde o princípio, soube estar aberta à escuta da Palavra de Deus e ser obediente à sua vontade (Lc 2,19.51). Maria, na verdade, educada e plasmada pelo Espírito (cfr. Lc 2, 44-50), foi capaz de ler na fé a sua própria história (cfr. Lc 1, 46-55) e, dócil à inspiração divina, “avançou na peregrinação da fé e manteve fielmente a sua união com o Filho até à cruz, onde, não sem um desígnio divino, esteve junto dela (cfr. Jo 19,25), sofrendo profundamente com o seu Unigénito e associando-se com entranhas de mãe ao Seu sacrifício” (Lumen gentium, 58).

3. A contemplação da Virgem apresenta-a enquanto, como Mãe zelosa, vê crescer o seu Filho em Nazaré, (cfr. Lc 2,40.52), segue-o pelos caminhos da Palestina, assiste-o nas bodas de Caná (cfr. Jo 2,5) e, aos pés da Cruz, torna-se a Mãe unida à sua oferta e dada a todos os homens na entrega que o próprio Jesus faz dela ao discípulo predilecto (cfr. Jo 19, 26). Como Mãe da Igreja, a Virgem Santa está unida aos discípulos “em contínua oração” (At 1,14) e, como nova Mulher que antecipa em si o que se realizará um dia em todos nós na plena fruição da vida trinitária, é elevada ao Céu, de onde estende o manto de protecção da sua misericórdia aos filhos que ainda peregrinam para o monte santo da glória.

Uma semelhante atitude contemplativa da mente e do coração leva a admirar a experiência de fé e de amor da Virgem, que vive já em si tudo o que cada fiel deseja e espera realizar no mistério de Cristo e da Igreja (cfr. Sacrosanctum Concilium, 103; Lumen gentium, 53). Precisamente por isto,  os carmelitas e as carmelitas escolheram Maria como sua Patrona e Mãe espiritual e têm-na sempre diante dos olhos do coração, como a Virgem Puríssima que a todos conduz ao perfeito conhecimento e imitação de Cristo.

Deste modo floresce uma intimidade de relações espirituais que incrementam cada vez mais a comunhão com Cristo e com Maria. Para os membros da Família Carmelita, Maria, a Virgem Mãe de Deus e dos homens, não somente é um modelo que se deve imitar, mas também é uma doce presença de Mãe e Irmã em quem devemos confiar. Justamente Santa Teresa de Jesus exortava: “Imitai Maria e considerai qual deva ser a grandeza desta Senhora e o benefício de a ter por Patrona” (Castelo interior, III, 1,3).

4. Esta intensa vida mariana, que se exprime em oração confiante, em entusiástico louvor e em diligente imitação, conduz à compreensão de que a forma mais genuína da devoção à Virgem Santíssima, expressa pelo humilde sinal do Escapulário, é a consagração ao seu Coração Imaculado (cfr. PIO XII, Carta Neminem profecto latet [11 de Fevereiro 1950: AAS 42, 1950, pp. 390-391]; Const. dogm. Sobre a Igreja Lumen gentium, 67). É assim que no coração se realiza uma crescente comunhão e familiaridade com a Virgem Santa “qual nova maneira de viver para Deus e de continuar aqui na terra o amor do Filho Jesus por sua mãe Maria” (cfr. Discurso do Angelus, in Insegnamenti XI/3, 1988, p. 173). Coloca-nos, assim, segundo a expressão do Beato mártir carmelita Tito Brandsma, em profunda sintonia com Maria, a Theotokos, tornando-nos como Ela transmissores da vida divina: “Também a nós o Senhor envia o seu anjo... também nós devíamos receber Deus nos nossos corações, trazê-lo dentro dos nossos corações, alimentá-lo e fazê-lo crescer em nós de tal modo que nasça de nós e viva em nós como o Deus-connosco, o Emanuel” (Da relação do B. Tito Brandsma ao Congresso Mariológico de Tongerloo, Agosto 1936).

Este rico património mariano do Carmelo tornou-se através dos tempos e por meio da difusão da devoção do Santo Escapulário, num tesouro para toda a Igreja. Pela sua simplicidade, pelo seu valor antropológico e pela relação com o papel de Maria na Igreja e na humanidade, esta devoção foi profunda e amplamente percebida pelo povo de Deus, a ponto de encontrar expressão na memória de 16 de Julho, presente no Calendário litúrgico da Igreja universal.

5. No sinal do Escapulário evidencia-se uma síntese eficaz da espiritualidade mariana, que alimenta a devoção dos crentes, tornando-os sensíveis à presença amorosa da Virgem Mãe nas suas vidas. O Escapulário é essencialmente um “hábito”. Quem o recebe é agregado ou associado em grau mais ou menos íntimo à Ordem do Carmelo, dedicada ao serviço da Senhora para o bem de toda a Igreja (cfr. Fórmula da imposição do Escapulário, no “Rito da Benção e imposição do Escapulário” aprovado pela Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, 5/1/1996). Quem veste o Escapulário é introduzido portanto na terra do Carmelo, para que “coma dos seus frutos e bens” (cfr. Jer 2,7), e experimenta a presença doce e materna de Maria, no empenho quotidiano de revestir-se interiormente de Jesus Cristo e de manifestá-lo vivo em si mesmo para o bem da Igreja e de toda a humanidade (cfr. Fórmula da imposição do Escapulário, cit.).

São duas, portanto, as verdades evocadas no sinal do Escapulário: por um lado, a contínua protecção da Santíssima Virgem, não somente ao longo do caminho da vida, como também no momento da passagem para a plenitude da glória eterna; por outro, a consciência de que a devoção para com Ela não se pode limitar à oração e ao serviço em sua honra somente em algumas circunstâncias, mas deve constituir um “hábito”, isto é uma orientação permanente da própria conduta cristã, tecida de oração e de vida interior, mediante a prática frequente dos Sacramentos e o exercício concreto das obras de misericórdia espirituais e corporais. Deste modo o Escapulário torna-se sinal de “aliança” e de comunhão recíproca entre Maria e os fiéis: na verdade ele traduz de maneira concreta a entrega que Jesus, na cruz, fez a João, e nele a todos nós, da Sua Mãe, e da entrega do apóstolo predilecto e de nós a Ela, constituída nossa Mãe espiritual.

6. Desta espiritualidade mariana, que plasma interiormente as pessoas e as configura a Cristo, primogénito entre muitos irmãos, são um esplêndido exemplo os testemunhos de santidade e de sabedoria de tantos Santos e Santas do Carmelo, todos crescidos à sombra e sob a tutela da Mãe.

Também eu trago sobre o meu coração, desde há muito tempo, o Escapulário do Carmo! Pelo amor que nutro pela nossa Mãe celestial, cuja protecção experimento continuamente, desejo que este ano mariano ajude todos os religiosos e religiosas do Carmelo e os piedosos fiéis que a veneram filialmente, a crescer no amor para com Ela e a irradiar no mundo a presença desta Mulher do silêncio e da oração, invocada como Mãe da misericórdia, Mãe da esperança e da graça.

Com estes auspícios, concedo de boa vontade a Bênção Apostólica a todos os frades, monjas, irmãs e leigos e leigas da Família Carmelita, que tanto trabalham por difundir entre o povo de Deus a verdadeira devoção a Maria, Estrela do mar e Flor do Carmelo! 

Vaticano, 25 de Março 2001

alt

Caminhos Carmelitas

  • 33º Domingo do Tempo Comum – Ano C
    Só o amor permanecerá para sempre porque “Deus é amor” (1 Jo 4, 8) Hoje, no Evangelho, Jesus deixa os seus contemporâneos, e nós também, surpreendidos; precisamente no momento em que alguém elogiava...
  • Comemoração de todos os defuntos da Ordem Carmelita: 15 de Novembro
    – Pai de misericórdia, tu és generoso em perdoar e queres a salvação de todos. Por isso, imploramos a tua clemência para que, por intercessão de Nossa Senhora do Carmo e de todos os santos do...
  • Festa de Todos os Santos Carmelitas – 14 de Novembro
    Somos descendentes de Santos Todos os que trazemos este hábito sagrado do Carmo somos chamados à oração e contemplação, porque este foi o nosso princípio, desta casta vimos, daqueles nossos santos...
  • Semana de oração pelos Seminários
    Oração Senhor Jesus Cristo, fonte de vida nova, Tu que não olhas ao que somos mas ao que poderemos chegar a ser, abre caminhos de construção do Reino, ajudando-nos a ser mansos e humildes de...
  • Penitência
    – A penitência é uma realidade extremamente rica na qual vale a pena pensar. Fazer penitência é igual a mudar por dentro e por fora. O pecado afasta, corta, mata o amor e fecha-nos sobre o...
  • 32º Domingo do Tempo Comum – Ano C
    Não é um Deus de mortos mas de vivos (Lc 20, 38) O Evangelho deste 32º Domingo do Tempo Comum, Ano C, narra que Jesus foi interpelado pelos saduceus, os quais não acreditavam na ressurreição e, por...

Santos Carmelitas