O Profeta Elias

O Profeta Elias

 

alt

 

Recentemente a Família Carmelita redescobriu a importância do Profeta Elias como inspiração para o trabalho pela justiça e pela paz. A sua experiência contemplativa impeliu-o à acção profética. Ele denunciou sem medo as acções dos poderosos do seu tempo e trouxe a luz da Palavra de Deus para as situações de pecado. A história da vinha de Nabot (1Rs 21,1-29) é um bom exemplo da actividade profética de Elias. O rei Acab desejava possuir a vinha de Nabot, mas este não queria vender o seu património. A rainha Jezabel zombou do seu marido e desafiou-o a mostrar quem era de facto o rei de Israel. A rainha tramou um esquema diabólico para acusar Nabot injustamente de blasfémia e para assumir o controle da vinha quando Nabot estivesse eliminado. O profeta Elias aparece quando Acab veio tomar posse da vinha e condenou o rei por abuso de autoridade. Este foi obviamente um passo muito corajoso. Proclamar a Palavra de Deus em certas situações pode ser muito perigoso. No profeta Elias vemos um homem que soube traduzir a sua experiência contemplativa em acção profética.


Elias conseguiu uma grande vitória para Yahweh no Monte Carmelo (1Rs 18,36-40), mas foi ameaçado por Jezabel e imediatamente as suas vozes interiores minaram a sua confiança em Deus. Foi para o deserto (1Rs 19,3-4) que tradicionalmente é um lugar de silêncio (Os 2,17). Deus falou-lhe através do anjo e Elias pôde continuar a sua jornada. Elias teve dificuldade em discernir a voz de Deus no meio de todos os seus problemas, mas, mesmo com dificuldades, continuou a caminhar até ao Horeb (1Rs 19,5-8). Quando chegou, Deus pergunta-lhe o que faz aí. Elias justifica-se, dizendo que está repleto de zelo pelo Senhor Deus dos exércitos. Diz a Deus que, em todo o Israel, ele é o único defensor que resta de Yahweh (1Rs 19,10). Deus não responde, mas simplesmente diz a Elias para sair e ficar na montanha. Aí Elias encontra Deus, mas não do modo como ele esperava, nem do modo como toda a sua tradição religiosa lhe havia ensinado. Elias deve silenciar todas as suas vozes interiores que lhe dizem como Deus parece ser, para que possa acolher Deus como Deus é (1Rs 19,11-12). Uma vez que Elias encontra Deus nos termos de Deus, e não como ele o imaginava, abre-se para ouvir a verdade, que o liberta da ilusão. Pensou que Deus realmente precisava dele, já que era o único profeta que restava. Deus mostra delicadamente que, de facto, existem ainda 7000 que não se ajoelharam diante de Baal (1Rs 19,18). Livre das suas ilusões, Elias recebe de Deus uma nova missão, que será realizada pelo seu sucessor Eliseu, que recebe uma dupla porção do espírito de Elias (1Rs 19,19; 2Rs 2,11).


Deus faz uso de tudo, grande ou pequeno, bom ou mau, para desafiar o nosso modo normal de viver no mundo, assim como Elias foi desafiado a libertar-se das suas expectativas de como Deus deveria manifestar-se-lhe. Estas expectativas estavam profundamente enraízadas em Elias e as nossas expectativas e perspectivas estão profundamente implantadas em nós. Antes de podermos receber Deus como realmente é, devemos aprender a libertar-nos de tudo isso. É um processo doloroso, uma verdadeira noite escura, mas essencial para que possamos alcançar a luz do dia e estar preparados para o encontro com Deus. A tradição carmelita fala de uma jornada de transformação. Os factos da nossa vida não são sem sentido. No coração de cada acontecimento, Deus chama-nos a dar um passo em frente na nossa jornada e no nosso modo previsível de julgar as situações e as pessoas, incluindo a nós mesmos, para que possamos ver as coisas a partir da perspectiva de Deus. O fim da nossa jornada é a nossa total transformação, quando formos capazes de considerar tudo com os olhos de Deus, e a amar o que vemos com o coração de Deus. Precisamos de comer e beber para que a jornada não seja longa. Encontramos o alimento necessário para a nossa jornada na celebração diária da Eucaristia, meditando a Palavra de Deus, e na nossa tradição carmelita. 

Joseph Chalmers, O. Carm.

Caminhos Carmelitas

  • 20º Domingo do Tempo Comum – Ano C
    A que se refere o Senhor quando diz que veio trazer segundo a redacção de São Lucas a “divisão”, ou segundo a de São Mateus a “espada” (Mt 10,34)? Esta expressão de Cristo...
  • Beato Isidoro Bakanja – 12 de Agosto
    Isidoro Bakanja nasceu por volta de 1885, no antigo Congo Belga, África. Converteu-se ao Cristianismo em 1906. No dia 6 de Maio de 1906, aos 21 anos de idade, foi baptizado, sendo o primeiro cristão...
  • A verdade tem um nome: Jesus Cristo
    O amor de Cristo foi o fogo que ardeu na vida de Teresa Benedita da Cruz. Antes ainda de se dar conta, ela foi completamente arrebatada por ele. No início, o seu ideal foi a liberdade. Durante muito...
  • Santa Teresa Benedita da Cruz – 9 de Agosto
    9 de Agosto é o dia da celebração da festa de Santa Edith Stein, que tomou o nome de Teresa Benedita da Cruz no Carmelo, uma das figuras mais fascinantes do século XX, de origem judia, convertida ao...
  • 19º Domingo do Tempo Comum – Ano C
    No Evangelho da liturgia de hoje, Jesus fala aos discípulos para os tranquilizar de todo o medo e convida-os a estarem alerta. São duas as exortações fundamentais que lhes dirige: a primeira é, “não...
  • Filhos como o “Filho muito Amado”
    Ser filho de Deus significa deixar-se guiar pela mão de Deus, fazer a sua vontade e não a própria, pôr todas as esperanças e preocupações nas suas mãos e não se preocupar mais consigo mesmo nem com...

Santos Carmelitas