Solenidade de Nossa Senhora do Carmo - Carta do Prior Geral

Carta à Família Carmelita por ocasião da Solenidade da Bem-aventurada Virgem Maria do Monte Carmelo - 2021

Roma, 11 de Julho de 2021

“Os nossos pés detêm-se às tuas portas de Jerusalém” (Sl 122,3)

Queridas Irmãs e Irmãos da Família Carmelita.

É meu desejo especial dirigir, este ano, a vossa atenção para o vínculo que existe entre a terra onde Jesus nasceu e viveu e a terra em que foi fundada a Ordem Carmelita e a sua Tradição.

É nesta terra que continuamos a honrar Maria com a nossa devoção e que veneramos como Nossa Senhora do Monte Carmelo, a Senhora do Lugar. É a terra que peregrinos e cruzados ansiaram visitar e proteger. É a terra que hoje grita para que cessem as hostilidades e se cumpra um sonho de paz para as muitas nações e gentes que estão representadas nas suas povoações.

O lugar onde fomos fundados

A nossa tradição Mariana enraíza-se na dedicação a Maria do primeiro oratório construída pelos eremitas no meio das suas celas, junto à fonte de Elias, num dos vales tranquilos do Monte Carmelo. Isto significava que eles a conheciam como a Mãe do seu Senhor, como a Senhora do Lugar. Tanto o Oratório como a Fonte, no Monte da Terra Santa, continuam a recordar-nos que os nossos antepassados ​​escolheram viver bem obséquio de Jesus Cristo, sob o olhar terno de Maria e na sua imitação e na imitação do profeta Elias, cuja solenidade também celebramos em julho.

Os nossos antepassados ​​contavam-se entre os muitos peregrinos medievais que se dirigiam a Terra Santa. Como outros peregrinos, optaram por ficar ali e trataram de formar uma comunidade eremítica nas ladeiras do Monte Carmelo. Juntos levavam uma vida de penitência, isto é, uma vida de conversão contínua para poder “viver em obséquio de Jesus Cristo e servi-lo com um coração puro em retomada consciente (Regra, 2 ). A ideia do obséquio, tal como se concebia e vivia na Idade Média, significava que estes eremitas-irmãos do Carmelo estabelecemecessem um vínculo vivo com a Terra Santa, que então se considera o autêntico património e reino do seu Senhor. Eles comprometeram-se a permanecer nesta Terra, no seu eremitério, ocupados num combate espiritual ( Regra, 18-19) ao serviço do seu Senhor.

Do Monte Carmelo o resto do mundo

Este compromisso foi objeto de discussão quando, em 1230, a situação política da Terra Santa se tornou mais precária e alguns eremitas do Carmelo, temendo a perseguição quiseram abandonar a Terra Santa, voltar aos seus países europeus de origem e neles fazer fundações. Não era uma questão trivial. Felipe Ribot, na sua obra Dez livros sobre o modo de vida e como grandes gestas dos carmelitas , comumente conhecida como Instituição dos Primeiros Monges, deixa-nos, a partir dos seus sete primeiros livros um esboço dum quadro vivo de um Capítulode comunidade no Monte Carmelo em que os irmãos dialogaram sobre se podia deixar a Terra Santa e construir casas da Ordem fora dela. Era um tema tão importante que se reuniu para discernir em oração, para discernir a vontade de Deus para eles, buscando a luz na Sagrada Escritura. Como se isto não fosse suficiente, a história narra que só depois de serem “ advertidos por Cristo e a bem-aventurada Virgem Maria, sua mãe, em sonhos ”, o anterior “ deu permissão a alguns irmãos para deixar a Terra Santa e voltar aos seus países e aí construir conventos da sua Ordem ”(livro 9, capítulo 3).

Seja histórico ou não, este relato mostra-nos como os carmelitas medievais concebiam a sua relação com o Terra Santa, a qual não era simplesmente o seu berço que podia abandonar quando crescessem, mas que, mediante a profissão dum voto, obrigavam-se a ali permanecerá. Foi assim que os irmãos denominados a sair da Terra Santa e a estabelecerem-se previamente em Chipre e logo em várias partes da Europa. Por último, em 1291, toda a Terra Santa caiu nas mãos dos lavos e o convento primordial do Monte Carmelo, junto com a outras fundações na Terra Santa, em Acre e Tiro, foram destruídas.

Desta forma, os carmelitas foram arrancados do Monte Carmelo e da Terra Santa. No entanto, já tinha feito numerosas fundações em toda a Europa. Aonde quer que sucesso, levaram consigo a memória do Monte Carmelo e da Terra Santa e conservaram a esperança de algum dia lá voltar. O Monte Carmelo deu-lhes o seu nome e é o seu símbolo espiritual. A peregrinação à Terra Santa, empreendida pelos seus antepassados, é agora uma parábola da sua viagem espiritual. Levando consigo o Rito do Santo Sepulcro, conservaram uma saudade da Terra Santa. Durante muitos séculos e até à reforma litúrgica empreendida pelo Concílio Vaticano II, o rito Jerosolimitano era o vínculo vivo da Ordem com a Terra Santa. Outra forma de manter viva a sua relação com a Terra do Senhor foi uma conservação duma província da Terra Santa em Chipre. Inclusive, quando se perderam as fundações nesta ilha, o título de Provincial da Terra Santa que, mesmo sendo só nominal, continuou outorgando-se durante vários séculos a um frade, dava-lhe o direito a tomar parte no Capítulo Geral. Algumas das primeiras fundações da Ordem, inclusive hoje, incluem uma Cruz Latina de Jerusalém no Escudo Carmelita.

Manter vivo o espírito primordial

O que representa a Terra Santa para a Ordem hoje? Certamente recorda-nos como nossas origens. Mas isto deveria ser mais que um mero vínculo sentimental com o passado. Recordando a Terra Santa, somos capazes de manter vivo o espírito que animou aqueles homens que escolheram os seus países para peregrinar à Terra Santa, que fizeram voto de se estabelecer nela, vivendo em obséquio de Jesus Cristo. Estes três aspetos: ser peregrinos, permanecerá, viver em obséquio de Cristo constituirá o centro da nossa vocação. Já não tem o significado concreto que teve para os primeiros carmelitas. Contudo, nós consideramo-nos um povo peregrino que precisa duma morada estável e que está dedicado completamente a Cristo e ao seu serviço.

Uma viagem de transformação em comunidade

A nossa viagem é sobretudo interior: “ uma viagem de transformação ”. Esta é a essência da nossa vocação e missão. Mas há outro aspeto. Da mesma forma que a peregrinação dos nossos pais eremitas na Terra Santa se transformou numa itinerância de frades mendicantes, assim também para nós, viajar hoje, implicações caminhar ao lado dos homens e mulheres do tempo, partilhando como suas alegrias e dificuldades, partilhando, com eles, o próprio Cristo e a riqueza da nossa espiritualidade.

Com a transformação da Ordem de frades eremitas em mendicantes, estabelecer-se num lugar e, mais especificamente, na Terra Santa, já não era uma questão fundamental. Mas a ideia de “permanecer”, de ter morada estável, persistiu e, todavia, faz parte da nossa vocação. A Regra chama-nos a permanecerá nas nossas celas “ meditando dia noite na Lei do Senhor e velando em oração ” ( Regra, 10 ). O chamamento a permanecerá na nossa cela foi sempre um aspeto importante da nossa espiritualidade e que deve fomentar-se. Permanecer na nossa cela, recorda-nos o convite de Jesus a permanecer com Ele (cf. Jo 15,4-10 ). Deus é a nossa verdadeira morada, seja quando estamos na solidão da nossa cela, em comunidade ou servindo o povo. A ideia de “ estabilidade”, De“ permanecer ”, de ter uma cela estável, também nos recorda o nosso chamamento à comunidade. A primeira comunidade carmelita do Monte Carmelo conservou a imagem da comunidade primitiva de Jerusalém que, para eles, era uma representação de Nova Jerusalém .

Estes aspetos definidos o modo concreto com que nós, como carmelitas, somos chamados a viver o nosso obséquio de Jesus Cristo. Ele é e permanece a pedra angular do Carmelo e, esta pedra, não pode ser substituída. Celebrando a Solenidade de Nossa Senhora do Monte Carmelo e do profeta Elias e recordando como nossas origens no Monte Carmelo na Terra Santa, somos capazes de comprometer-nos em viver de modo renovado o propositum da nossa comunidade fundacional.

Uma questão de identidade

A memória viva do Monte Carmelo situado na Terra Santa manifesta-se no uso contínuo que fazemos nome quando expressamos quem somos. Continuamos a levar esse Monte nos nossos corações e nas nossas mentes. Esta memória viva recorda-nos que somos um povo nascido nessa montanha, ainda que estejamos imersos no frenesim da cidade. Esta tensão da vida remete-nos uma e outra vez para nossa identidade como contemplativos. Por essa razão, olhando para o nosso Beato Ângelo Paoli. o pai dos pobres; para Teresa de Jesus, uma fundadora inquieta; para João da Cruz, o poeta e companheiro espiritual; para Edith Stein, professora e mártir; para Tito Brandsma um homem para todas as épocas; vemos que todos são carmelitas que viveram esta tensão e todos amaram o nome e o significado de “Monte Carmelo”.

As nossas celebrações de julho fazem-nos olhar para o passado como uma peregrinação espiritual ao Monte Carmelo e à Terra Santa. Este ano em que presenciámos de novo uma instabilidade política e a guerra na Terra Santa, gravando a nossa vinculação especial a esta Terra, o nosso coração dirige-se a todas as pessoas afetadas por esta difícil situação. Oramos fervorosamente para que se encontre uma solução justa de modo que todos possam gozar da estabilidade e da segurança e vivam em paz. Também nos entristece o contínuo êxodo de cristãos da Terra Santa e de todo o Médio Oriente por causa das grandes dificuldades em que vivem. Queremos apoiá-los com a nossa oração e de qualquer outro modo possível.

Uma oração pela paz

Hoje, nós partilhámos espiritualmente a alegria dos nossos pais peregrinos e dos peregrinos de todas as épocas, sejam amor, cristão ou osos ao chegarem à Terra Santa. Cantamos com eles “Os nossos pés detêm-se às tuas portas Jerusalém” (Sl 122, 2) e escudos atentamente o salmista que nos exorta pedir “ a paz para Jerusalém ” (Sl 122,3). Que esta seja a nossa suplica especial neste ano ao celebrar Nossa Senhora do Carmo e Santo Elias.

Enquanto, por um lado, pensamos com frequência que seria estupendo que a Família Carmelita e, especialmente os frades, tem uma maior presença na Terra Santa. Recordamos que estamos ali graças à presença de duas comunidades do Instituto di Nuestra Signora del Carmelo , uma congregação Carmelita italiana fundada pela Beata Teresa Scrilli, e pelas mulheres e homens da Tradição Descalça. A sua segurança e o êxito do seu trabalho são para nós motivo de oração.

Ao mesmo tempo que renovámos a nossa devoção a Maria, honramo-la de novo como a Senhora do Lugar e colocamos como gentes da Terra Santa sob da sua proteção maternal, confiando que quanto mais fervorosamente mostrarmos o nosso desejo de paz, dessa paz que só Deus pode dar, mais seguros estamos de que a nossa relação será ouvida e haverá paz.

Bendita e jubilosa Solenidade de Nossa Senhora do Monte Carmelo para todos.

Padre Miceál O'Neill, O. Carm.

Prior Geral

 

 

Caminhos Carmelitas

  • A alegria do amor divino
    Santa Teresa do Menino Jesus advertiu que a alegria do amor divino é muito maior quando pode dar muito; alegria do pai do filho pródigo que faz um banquete em sua honra; afirmação de Jesus de que há...
  • Beato Tito Brandsma – 27 de Julho
    Hoje, 27 de Julho, a Ordem do Carmo celebra a “memória litúrgica” do Beato Tito Brandsma, O. Carm. O Padre Tito Brandsma foi um carmelita holandês que morreu no Campo de Concen­tração de Dachau, em...
  • 17º Domingo do Tempo Comum – Ano B
    O Evangelho da Liturgia deste Domingo narra o célebre episódio da multiplicação dos pães e dos peixes, com o qual Jesus dá de comer a cerca de cinco mil pessoas que o vieram ouvir (cf. Jo 6, 1-15)....
  • Dar tempo ao tempo
    Aprender a dar tempo ao tempo é sabedoria do peregrino. Ir passo a passo, pacientemente, com a certeza de que hei-de chegar, sem entrar em ansiedade. O que é exactamente o contrário daquela doença...
  • Tudo passa
    No dia em que começares a gravar no teu coração aquelas célebres palavras de Santa Teresa de Jesus, “tudo passa”, nada será capaz de te apartar da verdade nem de te separar de Deus. (…) Experimenta,...
  • 16º Domingo do Tempo Comum – Ano B
    “Descansai um pouco” A atitude de Jesus, que observamos no Evangelho da Liturgia de hoje (Mc 6, 30-34), ajuda-nos a compreender dois aspectos importantes da vida. O primeiro é o...

Santos Carmelitas