Discurso do Papa Francisco aos Carmelitas Participantes no Capítulo Geral – Setembro de 2019

papa Francisco com os Capitulares

 Caríssimos irmãos!

Saúdo-vos com alegria, vós que fostes convocados para celebrar o Capítulo Geral e, através de vós, saúdo todos os membros da Ordem Carmelita. O tema central da vossa reflexão capitular é “Vós sois minhas testemunhas (Is 43,10); de uma geração à outra: chamados a ser fiéis ao nosso carisma carmelita” (cf. Const., nº 21).

Deus abençoou o Carmelo com um carisma original para enriquecer a Igreja e para comunicar ao mundo a alegria do Evangelho, partilhando o que recebestes com entusiasmo e generosidade: "De graça recebestes, de graça dai" (Mt 10,8). Gostaria de vos encorajar acerca disto indicando-vos três linhas orientativas para o caminho.
A primeira linha é fidelidade e contemplação. A Igreja aprecia-vos e, quando pensa no Carmelo, pensa numa escola de contemplação. Como atesta uma rica tradição espiritual, a vossa missão é fecunda, na medida em que está enraizada na relação pessoal com Deus. O Beato Tito Brandsma, mártir e místico, afirmou: “É próprio da Ordem do Carmelo, embora seja uma ordem mendicante de vida activa e que vive no meio das pessoas, conservar uma grande estima pela solidão e desapego do mundo, considerando a solidão e a contemplação como a melhor parte da sua vida espiritual”. As Constituições de 1995, que por estes dias estais a rever, sublinham-no: "A esta vocação contemplativa referem-se sempre os grandes mestres espirituais da família carmelita" (nº 17). O modo carmelita de viver a contemplação prepara-vos para servir o povo de Deus através de qualquer ministério e apostolado. O certo é que, qualquer que seja o que façais, sereis fiéis ao vosso passado e abertos ao futuro com esperança se, "vivendo em obséquio de Jesus Cristo" (Regra, nº 2), tiverdes especialmente no coração o caminho espiritual das pessoas.

A segunda linha é acompanhamento e oração. O Carmelo é sinónimo de vida interior. Os místicos e os escritores carmelitas entenderam que "estar em Deus" e "estar nas suas coisas" nem sempre coincidem. Afanar-se por mil coisas de Deus sem estar enraizados n'Ele (cf. Lc 10,38-42), mais cedo ou mais tarde a conta é-nos apresentada: damo-nos conta de que O perdemos durante o caminho. Santa Maria Madalena de' Pazzi, nas suas famosas cartas de "Renovamento da Igreja" (1586), prevê que a apatia pode infiltrar-se na vida consagrada quando os conselhos evangélicos se tornam apenas uma rotina e o amor de Jesus deixa de ser o centro da vida (cf. Exortação Apostólica "A Alegria do Evangelho", nº 264). Do mesmo modo, também o mundanismo pode infiltrar-se, que é a tentação mais perigosa da Igreja, especialmente para nós, homens da Igreja. Sei muito bem, irmãos, que esta tentação entrou e causou sérios danos também entre vós. Rezei e rezo para que o Senhor vos ajude. E este Capítulo é uma ocasião providencial para receber do Espírito Santo a força para lutar juntos contra essas armadilhas.

Gerações de carmelitas e carmelitas ensinaram-nos com o exemplo, a viver mais "dentro" do que "fora" de nós mesmos, e a seguir para “o mais profundo centro", como diz São João da Cruz (Chama viva de amor B, 1,11-12), porque aí habita Deus, e aí Ele nos convida a procurá-lo. O verdadeiro profeta na Igreja é aquele e aquela que vem do "deserto", como Elias, cheio do Espírito Santo, com aquela autoridade que têm os que escutaram no silêncio a voz subtil de Deus (cf. 1 Re 19,12).

Encorajo-vos a acompanhar as pessoas a "fazer amizade" com Deus. Santa Teresa dizia: "De falar ou ouvir falar de Deus quase nunca me cansava". O nosso mundo tem sede de Deus e vós carmelitas, mestres de oração, podeis ajudar muitos a sair do barulho, da pressa e da aridez espiritual. Não se trata naturalmente de ensinar as pessoas a coleccionar orações, mas a serem homens e mulheres de fé, amigos de Deus, que sabem percorrer os caminhos do espírito.

Do silêncio e da oração nascerão comunidades renovadas e ministérios autênticos (cf. Const., nº 62). Como bons artesãos de fraternidade ponde a vossa confiança no Senhor vencendo a inércia do imobilismo e evitando a tentação de reduzir a comunidade religiosa a “grupos de trabalho” que acabariam por diluir os elementos fundamentais da vida religiosa. A beleza da vida comunitária é em si mesma um ponto de referência que gera serenidade, atrai o povo de Deus e contagia a alegria de Cristo Ressuscitado. O verdadeiro carmelita transmite a alegria de ver no outro um irmão que deve ser apoiado e amado e com quem se partilha a vida.

E finalmente a terceira linha: ternura e compaixão. O contemplativo tem um coração compassivo. Quando o amor enfraquece, tudo perde sabor. O amor, atencioso e criativo, é bálsamo para os que estão cansados ​​e esgotados (cf. Mt 11,28), para os que sofrem o abandono, o silêncio de Deus, o vazio da alma, o amor quebrado em pedaços. Se um dia, à nossa volta, não há mais pessoas doentes e famintas, abandonadas e desprezadas - os menores de que fala a vossa tradição mendicante - não é por que não se encontram aí, mas simplesmente porque não as vemos. Os pequenos (cf. Mt 25, 31-46) e os descartados (cf. "A Alegria do Evangelho", nº 53) sempre os teremos (cf. Jo 12,8), a oferecer-nos uma oportunidade para que a contemplação seja uma janela aberta à beleza, à verdade e à bondade. "Quem ama a Deus deve procurá-lo nos pobres", nos "irmãos de Jesus", como disse o Beato Angelo Paoli, de quem ireis celebrar brevemente o terceiro centenário da sua morte. Que possais ter sempre a bondade de os procurar! A confiança absoluta do Beato Angelo Paoli na providência divina fazia-o exclamar com alegria: "Tenho uma despensa na qual nada falta!”. Que a vossa despensa transborde compaixão diante de qualquer forma de sofrimento humano!

A contemplação seria apenas qualquer coisa momentânea se se reduzisse a arroubos e êxtases que nos afastasse das alegrias e das preocupações das pessoas. Devemos desconfiar do contemplativo que não é compassivo. A ternura, segundo o estilo de Jesus (cf. Lc 10,25-37), protege-nos da "pseudo-mística", da "solidariedade de fim de semana" e da tentação de ficar longe das feridas do corpo de Cristo. Três perigos: a "pseudo-mistica", o "fim de semana solidário" e a tentação de ficar longe das feridas do corpo de Cristo. As feridas de Jesus são também ainda hoje visíveis no corpo dos irmãos que são despojados, humilhados e escravizados. Tocando estas feridas, acariciando-as, é possível adorar o Deus vivo no meio de nós. Hoje é necessário fazer uma revolução de ternura (cf. "A Alegria do Evangelho", nº 88; 288) para que nos torne mais sensíveis diante das noites escuras e dos dramas da humanidade.
Caríssimos irmãos, agradeço-vos por este encontro. Que a Virgem do Carmelo sempre vos acompanhe e proteja todos aqueles que colaboram convosco e emergem da vossa espiritualidade. E, por favor, confiai-me também a mim à sua maternal protecção.

Obrigado!

Caminhos Carmelitas

  • Julho, mês de Nossa Senhora do Carmo
    Como me teria gostado ser sacerdote para pregar sobre a Virgem Maria! Penso que seria suficiente fazê-lo uma só vez para dar a entender o que penso dela. Antes demais nada, faria ver quão pouco se...
  • Solenidade de São Pedro e São Paulo
    O Sínodo, que estamos a celebrar, chama-nos a ser uma Igreja que se ergue em pé, não dobrada sobre si mesma, capaz de olhar mais além, de sair das suas prisões para ir ao encontro do mundo, com a...
  • Não ficar a remoer as faltas
    Quando o Irmão Lourenço cometia alguma falta, confessava a sua culpa e dizia a Deus: “não faria outra coisa se Tu me deixasses; depende de Ti evitar que caia e corrigir o que está mal.” Depois disso...
  • Imaculado Coração da Virgem Santa Maria
    Oh! quisera cantar, Maria, porque te amo. Porque é que o teu doce nome me comove o coração, e porque é que o pensamento da tua grandeza suprema não é capaz de inspirar-me medo. Se te contemplasse na...
  • A sabedoria dos idosos: aprender a despedir-se
    Sem dúvida, esta nova época (velhice) é também um tempo de provação. Começando pela tentação – muito humana, indubitavelmente, mas também muito insidiosa – de preservar o nosso...
  • Carregar a cruz
    Que significa carregar a cruz? Não se trata de ser masoquistas e comprovar até aonde conseguimos aguentar o sofrimento. Na cruz vemos a nossa capacidade de amar gratuita e incondicionalmente e até...

Santos Carmelitas