Quarto Dia da Novena de Nossa Senhora do Carmo

4º Dia: Ser cooperadores da misericórdia de Deus (10 de Julho)

 alt 

O Evangelho deste domingo (o bom samaritano: Lc 10, 25-37) está não no coração e centro do Ano da Misericórdia, como também no coração e centro da vida e missão da Igreja: “A arquitrave que suporta a vida da Igreja é a misericórdia. A sua credi­bilidade passa pela estrada do amor misericordioso e compassivo” (VM 10).

O episódio de hoje é conhecido: um doutor da Lei pergunta a Jesus o que deve fazer para ter a vida eterna. A reação de Jesus é significativa: não res­ponde logo, dá ao interlocutor a primazia e, interessado na novidade irrepe­tível do que este é, pensa e sente, pergunta-lhe: “Que está escrito na Lei? Com a lês tu?” E ele responde, repetindo a oração que recita duas vezes ao dia, o Shemá, “Escuta, Israel. Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração…” (Dt 6,4-5) e acrescentando, por própria iniciativa, outro precei­to da Lei, que põe acima dos restantes: “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo” (Lv 19,18). O preceito que, no dizer de Paulo, é “a palavra” em que se cumpre e que recapitula toda a Lei (Gl 5,14; Rm 13,9). Jesus aprova a resposta, mas nota que não basta saber, é preciso pô-lo em prática: “Faz isso e viverás”. A vida é um dom que só se tem na medida em que se vive: estou vivo por­que vivo; se deixar de o fazer, morro. Assim também a fé: quem acredita no Evangelho, recebe a vida eterna; mas só a tem, quem a viver, amando a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.

Se a primeira questão parecia fácil de resolver ao nível da razão, bem mais difícil é pô-la em prática, traduzi-la nas nossas relações uns com os outros, a começar por aqueles com quem diariamente vivemos e nos cruzamos nos caminhos da vida: os nossos próximos. Tal caminho é uma história que se vai escrevendo, dia após dia, através de inúmeras situações e aconteci­mentos, novos e imprevisíveis. Por isso, à pergunta “quem é o meu próxi­mo?”, Jesus responde com uma parábola, uma história que interpela a vida.

Uma pessoa regressava de Jerusalém por Jericó e caiu nas mãos de salteadores que a roubaram, cobrindo-a de feridas e deixando semimorta à beira do caminho. Por uma daquelas coincidências de que é feita a vida, seguem pelo mesmo caminho um sacerdote e um ajudante do Templo que, ao vê-la, passam pelo lado oposto, a fim de não se conta­minar. Vêm-na, mas não se aproximaram, endurecem o coração, não reconhecem nela um semelhante e, indiferentes ao seu sofrimento, seguem o caminho que se tinham proposto, não escutando “a palavra” que Deus lhes estava a dirigir naquela situação através daquela pessoa, imagem e presença Sua.

Entretanto um samaritano, um estrangeiro (imagem da Igreja, que segue pelo caminho da humanidade sofrente), passa junto ao ferido: vê-o, enche-se de compaixão, deixando que os sentimentos que o Pai imprimiu no coração humano nela brotem, reconhecendo a voz de Deus naquela situação, escutando “a Palavra” que está tão próxima, que está escrita no nosso coração por Deus, e abra­çou aquela pessoa que sofria, nela abraçando a Palavra que leva à plenitude a Lei, tudo recapitulando em si (cf. Mt, 5,17; Ef 1,10), o próprio Cristo, que diz: “Tudo o que fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes” (Mt 25,40). E, sem olhar a agenda ou planos pessoais, usa de misericórdia para com ele: aproxima-se, trata dele, põe-no em cima da própria montada, leva-o para a estalagem mais próxima, cuida dele e, no dia seguinte, dando-lhe tempo para que se restabeleça, deixa dinhei­ro ao estalajadeiro, recomendando-lhe que trate bem dele, assegurando-lhe que, no regresso, lhe pagará o que faltar. “Quem foi o próximo dessa pessoa?”. “O que usou de mi­sericórdia para com ele”, responde o legista. “Vai e faz tu o mesmo”, concluiu Jesus.

Toda a vontade de Deus, expressa nos mandamentos, resume-se no amor; mas este prova-se nos atos: em atos gratuitos de genuíno amor e misericórdia para com o próximo. Só faz a vontade de Deus quem escuta a Sua voz no íntimo do coração e O ama, vendo-O, escutando-O e amando-O no próximo, usando de misericórdia para com ele. O próximo é a imagem e a Palavra de Deus para mim, hoje: imagem para nele ver a Cristo e Palavra para através dele escutar o próprio Cristo presente na nossa vida, como recorda S. Paulo: “Cristo é a imagem do Deus invisível” (Cl 1,15). Quem o faz, torna-se ele mesmo imagem e semelhança de Cristo para os outros, cooperador da misericórdia de Cristo, que disse: “Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei. Nisto reconhecerão todos que sois meus discípulos”.

No entardecer da vida seremos julgados sobre o amor, segundo a medida da misericórdia que usamos uns para com os outros. Nossa Senhora, em casa de Isabel, nas bodas de Caná, de pé, junto à cruz mostra-nos que o caminho da fé passa pela prática do amor, traduzindo-se em  obras de misericórdia. No Carmelo somos todos chamados a ser Maria e Marta, como nos recorda S. Maria Madalena de’ Pazzi.  Que respondo eu a esta Palavra, como lhe correspondo em casa, na família, no trabalho, na Igreja, nos caminhos da vida? Sou capaz de ver o meu próximo, porque o não julgo e perdoo? Sou capaz de o escutar, compreender, amar e ajudar, sobretudo quando sofre? “Vai e faz tu o mesmo”. E terás vida eterna, o próprio Deus a viver em ti!

Caminhos Carmelitas

  • Oração para a Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023
    Nossa Senhora da Visitação, que partistes apressadamente para a montanha ao encontro de Isabel, fazei-nos partir também ao encontro de tantos que nos esperam para lhes levarmos o Evangelho vivo:...
  • 30º Domingo do Tempo Comum – Ano B
    O texto que nos é proposto para o 30º Domingo do Tempo Comum, Ano B, narra a cura do cego Bartimeu que levará este homem a seguir Jesus porque se operou nele uma iluminação pelo encontro com Aquele...
  • Nada te perturbe, só Deus basta
    Nada te perturbe, nada te espante, tudo passa, Deus não muda, a paciência tudo alcança; quem a Deus tem, nada lhe falta: SÓ DEUS BASTA. Eleva o pensamento, ao céu sobe, por nada te angusties, nada...
  • A liberdade realiza-se na caridade
    Na Carta aos Gálatas, o apóstolo Paulo introduz-nos na grande novidade da fé, da “vida nova” recebida no Baptismo, com o dom maior de sermos filhos de Deus. Renascidos com Cristo, passamos de uma...
  • 29º Domingo do Tempo Comum – Ano B
    No Evangelho do 29º Domingo do Tempo Comum, Ano B, Marcos narra que dois dos discípulos de Jesus, Tiago e João, pedem-lhe para se sentarem a seu lado na glória, “como...
  • Santa Teresa de Jesus – 15 de Outubro
    Nada te perturbe, nada te espante; tudo passa… só Deus não muda. A paciência tudo alcança, quem a Deus tem nada lhe falta: só Deus basta (Santa Teresa de Jesus). Bem sabe Sua Majestade que só posso...

Santos Carmelitas